O presidente Jair Messias Bolsonaro, pode ser denunciado ainda nesta semana pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção passiva e outros crimes, como obstrução de Justiça e advocacia administrativa por tentar interferir na autonomia da Polícia Federal. São motivos suficientes para afastá-lo da Presidência da República.

Se Bolsonaro for denunciado pela PGR e, se a Câmara aprovar o prosseguimento das investigações, o presidente será afastado do cargo automaticamente por 180 dias.

O ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), pode decidir também nos próximos dias sobre a publicidade do vídeo da reunião ministerial em que Bolsonaro teria ameaçado Moro de demissão caso não trocasse o diretor-geral da PF.

Moro voltará a Brasília pela primeira vez depois da demissão para acompanhar a transmissão do vídeo. Ele tem passado os últimos dias em Curitiba.

De segunda (11) a quinta-feira (14), três ministros de Estado, seis delegados e uma deputada federal irão prestar depoimento no inquérito que investiga a veracidade das acusações do ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro contra Bolsonaro.

Fonte: VarelaNoticias

DEIXE UMA RESPOSTA

Você digitou um endereço de e-mail incorreto!
Digite seu nome aqui