Suspeita de comandar o tráfico de drogas em comunidade de Niterói, RJ, é presa

A Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu, na manhã desta quarta-feira (23), uma mulher suspeita de comandar o tráfico de drogas em uma favela, na Zona Norte de Niterói. Segundo as investigações, ela é mulher de um traficante que está preso e assumiu os negócios do marido. Ela vivia na zona sul da cidade e ostentava uma vida de luxo.

De acordo com as investigações, somente com o tráfico de drogas a organização criminosa movimentava cerca de R$ 1 milhão por mês. Angela Cristine Polisseni, mais conhecida como “Princesa”. Ela é mulher do traficante Luiz Claudio Gomes, o “Pão com Ovo”, dono do tráfico de drogas da Favela Nova Brasília, que está preso em Bangu 3.

O advogado do casal, Mauro Silva Sant’Ana, conhecido como “Doutor Mauro”, também foi preso pelos agentes. Com a prisão de “Pão com Ovo” em setembro de 2015, em Fortaleza/Ceará, Ângela assumiu o papel protagonista no tráfico de drogas da Nova Brasília, servindo como elo entre “Pão com Ovo” e os demais traficantes da comunidade.

Ela foi presa em seu apartamento de luxo em Icaraí, Zona Sul de Niterói, onde tinha uma vida confortável e sem despertar suspeitas, mas que de acordo com as investigações era mantida com os lucros do tráfico de drogas da favela que ela ajudava a comandar.

Além desfrutar viagens para o Caribe e de um motorista particular para dirigir o Kia Sportage da família, ela era frequentadora assídua de academias, salões de beleza e lojas de grife da alta sociedade do município.

Ainda durante as investigações os agentes descobriram que Ângela era auxiliada pelo advogado “Dr. Mauro”, que foi preso em sua casa em Santa Bárbara. O advogado possuía uma função importante no esquema, prestando auxílio jurídico para ocultar o patrimônio adquirido com o dinheiro ilícito, além de intermediar o pagamento de propina a agentes públicos para que não houvesse repressão ao tráfico de drogas nas bocas de fumo localidade.

Ângela e Mauro são investigados também pelo crime de lavagem de dinheiro, materializado através de aquisição de bens que eram colocados em nome de terceiros para simular uma transação legal e ocultar a origem criminosa do dinheiro. A operação foi batizada como “Background”.

Agora vai! Após ser interditada em julho, Fenacouro retorna a Teixeira

Os organizadores da Fenacouro já iniciaram a montagem da feira de malhas, couros e variedades em Teixeira de Freitas. A previsão é que o empreendimento itinerante funcione entre 8 e 17 de setembro.

No início de julho, a Fenacouro chegou a funcionar por três dias, mas acabou interditada por falta de documentação, segundo a secretaria de Segurança Pública local.

Cerca de 30 stands com produtos diversicados estão sendo instalados na Avenida Presidente Getúlio Vargas, ao lado do cartório de Bené e da Madel Madeiras.

Passional: Homem confessa que matou e queimou o corpo do próprio irmão por ciúmes da esposa em Teixeira de Freitas

Após o registro do desaparecimento de Adimilson Elias Sampaio, o “Dito”, de 41 anos de idade, a Polícia Civil de Teixeira de Freitas afirma que deu início a um trabalho intenso de investigação, objetivando prender o autor do crime. Uma equipe liderada pelo delegado Manoel Andreetta, do Núcleo de Homicídio e Tráfico (NHT), após diligências em uma propriedade rural, conseguiu encontrar ferramentas com vestígios de sangue e, no outro dia, localizou uma ossada humana, parte de uma prótese dentária e um botão.

A partir disso, o desaparecimento passou a ser tratado como homicídio, sendo descoberto que o irmão de Adimilson não aparecia na cidade há alguns dias, e após levantamentos foi constatado que ele havia se hospedado em uma pousada em João Neiva, no Espírito Santo, usando o CPF da sua mãe.

Com isso, foi pedida a prisão do acusado e um mandado acabou sendo expedido imediatamente pela Justiça. As investigações continuaram e foi descoberto que o suspeito estaria em uma residência em Aracruz-ES. Com apoio da Polícia Civil capixaba, o delegado Bruno Ferrari e investigadores do NHT, montaram cerco ao imóvel e acabaram prendendo Eulálio Elias Sampaio Neto, o “Neto”, de 35 anos de idade, que ao ser questionado sobre o crime, acabou confessando que, por ciúmes, brigou com o irmão, terminando por matá-lo com um pedaço de madeira.

Com uma extrema frieza, segundo a polícia, o acusado informou que colocou o corpo do irmão em uma caixa, arrastou-o até a parte baixa da fazenda, onde foi jogado gasolina e ateado fogo. Eulálio foi conduzido à carceragem da Delegacia Territorial de Aracruz (DT), e nesta terça-feira, dia 22 de agosto, uma equipe do NHT o recambiou até a sede da 8ª Coorpin, onde permanece preso à disposição da Justiça. Questionado, Eulálio, contou que matou o próprio irmão por ciúmes dele com sua esposa e admitiu ter contado com a ajuda de um comparsa.

“Ele ficava trazendo chocolate para minha mulher e deu um abraço nela, eu fui falar, ele achou ruim e me deu três panadas de facão, e depois ele foi para perto do galpão. Aí peguei um pedaço de pau e dei a primeira nele”, disse, completando friamente que levou o irmão para um determinado local, onde o corpo foi incendiado. O pior, que no dia 8 de agosto, Eulálio foi quem esteve na 8ª Coorpin, onde registrou o boletim de ocorrência do desaparecimento. Nesse dia, pelas investigações da Polícia Civil, Adimilson já estava morto e mesmo assim, Eulálio disse à família e também para a esposa que iria procurar o irmão. Depois disso não foi mais visto.

De acordo com informações da delegada Valéria Chaves, coordenadora da 8ª Coorpin, Eulálio será indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. As investigações continuam e novas diligências serão feitas para tentar identificar o suposto comparsa que teria ajudado Eulálio Elias Sampaio Neto, o “Neto”, de 35 anos de idade, a executar o seu próprio irmão no interior de Teixeira de Freitas. (Por Ronildo Brito)

Itamaraju: TCM formula representação contra Chico do Hotel ao Ministério Público Estadual

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), nesta terça-feira (22/08), determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual (MPE), contra o ex-presidente da Câmara de Itamaraju, Francisco Carlos Barbosa Silva, mais conhecido como Chico do Hotel, para que se apure a provável prática de ato de improbidade administrativa, tendo em vista a emissão de cheque pré-datado em benefício próprio, no valor de R$6.500,00, ao final do ano de 2016, para compensação em janeiro de 2017 a título de “adiantamento de subsídio”.

O voto do relator do processo, conselheiro Plínio Carneiro Filho – acompanhado pelos demais conselheiros presentes à sessão – determinou que a atual presidência da Câmara, Chico Jiló (PSD), promova o desconto do valor citado dos vencimentos do vereador. E aplicou multa de R$1 mil ao ex-presidente.

Na apuração da denúncia apresentada pelo cidadão Amintas de Jesus se constatou que, apesar de ter prestado contas, alegando a inexistência de restos a pagar no mês de dezembro de 2016 para o exercício seguinte, Francisco Carlos Silva emitiu um cheque pré-datado, em seu próprio nome, datado para 21/12/2016, que foi compensado apenas em 23/01/2017. O cheque foi emitido sob o frágil argumento de adiantamento, sem qualquer previsão legal. “A conduta do gestor em não observar os procedimentos para pagamento das despesas públicas e a infidelidade na elaboração das peças contábeis evidencia enorme prejuízo à transparência das contas públicas, violando a Lei de Responsabilidade Fiscal e frustrando o exercício do controle externo exercido pelos órgãos competentes”, observou o conselheiro relator.

Na investigação apurou-se também que o gestor emitiu, no mês de setembro de 2016, cheque no valor de R$4 mil, tendo como beneficiário o vereador Rubens Cleudes de Jesus Neves, a título de adiantamento, sem a devida provisão de fundos. Além dos prejuízos causados pelas taxas de devolução do cheque, “houve a ridicularização do ente público perante a comunidade local como emitente de cheque sem fundos, o que demonstra a inoperância do setor contábil, da tesouraria e do controle interno” – destacou o relator. (Da redação TN)

Bruno Ferrari é o novo titular da Polícia Civil no município de Alcobaça

Após a saída de Marco Antônio Neves, que foi designado pra ser Adjunto de Itamaraju, o delegado Bruno Ferrari, que também atua no Núcleo de Homicídio e Tráfico (NHT) da 8ª Coorpin, acaba de ser designado para assumir a titularidade de Alcobaça.

A nomeação foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), na edição do último sábado, dia 19 de agosto e segundo Ferrari, ele já começou a levantar os dados e traçar as estratégias para o novo desafio de sua carreira profissional.

De acordo com o delegado Bruno Ferrari, será intensificada a parceria com a Polícia Militar, objetivando manter o combate ao crime na cidade litorânea. (Por Ronildo Brito)

 

Mulher se joga de ferry durante travessia

A mulher foi socorrida e recebeu os primeiros socorros por tribulantes da embarcação

Uma mulher pulou do ferryboat Maria Betânia na manhã desta sexta-feira, 18. A embarcação tinha saído do terminal de Bom Despacho às 9h, com destino ao terminal de São Joaquim, em Salvador, quando, por volta 9h30 ela se jogou ao mar. Não há informações sobre a motivação.

Segundo informou a Internacional Travessias Salvador, responsável pela administração do equipamento, por meio de sua assessoria, o resgate da mulher, que não teve o nome divulgado, foi feito por tripulantes da balsa e durou cerca de 10 minutos.

Quando a embarcação atracou no terminal de São Joaquim, equipes do Serviço de Atendimento Médico Móvel (Samu) já a aguardavam para prestar os atendimentos médicos necessários.

Universitária é morta a tiros na garagem de casa em Cachoeiro

Foto: Facebook

A universitária Fernanda Costa Beber, 30 anos, foi morta a tiros quando chegava em casa após a faculdade. O crime aconteceu na noite desta quinta-feira (17) no bairro Paraíso, em Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Estado. A estudante de Psicologia foi surpreendida pelo assassino na garagem da casa onde morava de aluguel.

Vizinhos contaram que ouviram gritos de pedido de socorro e que tudo aconteceu rápido. Fernanda morreu no local. O assassino, segundo testemunhas relataram à polícia, teria fugido a pé, por uma escadaria próxima.

De acordo com as primeiras informações da investigação policial, a motivação do crime ainda não foi definida, porém, o crime não tem indícios ser “patrimonial”, uma vez que nenhum pertence da vítima ou da casa dela foi levado.

“Fomos ao local e, em contato com testemunhas e analisando o crime, verificamos que ela entrou com o carro na garagem, ao chegar da faculdade, e um rapaz chegou junto. Eles acabaram brigando e a assassinou a tiros. Não levou nenhum objeto pessoal, então, acredito que a gente descarta, pelo menos por enquanto, crime patrimonial”, disse o delegado de plantão Augusto Garcia.

A jovem morava há pouco mais de um ano no bairro onde também fica localizada a faculdade em que ela estudava. Uma moradora do local, que prefere não se identificar, conta que Fernanda alugou a casa e morava com um rapaz, o que durou alguns meses. Porém, era comum os vizinhos ouvirem as brigas entre o casal.

“Tinha um ano e pouco que veio morar aqui. Perguntei a ela com quem ia morar e ela disse que era ela e um rapaz. Era uma ‘brigaiada’ danada. Um dia ela disse que escondeu uma faca, que ele queria matá-la. Depois da briga, ficava dois, três dias fora”, comentou.

A universitária se formaria no final deste ano. A família é de Estrela do Norte, localidade do interior de Castelo. O pai esteve no local, mas não quis dar entrevista. O corpo foi encaminhado ao Serviço Médico Legal de Cachoeiro.